A loja que não gosta de vender!

Artigo 1 de 2, de uma série intitulada: a qualidade “odontológica”

A qualidade "odontológica"

Você sabe o que é presteza? Você sabe o impacto da presteza na qualidade dos serviços? É possível uma Loja não gostar de vender, e colocar dificuldades para o cliente comprar algo que precisa? Veja o caso abaixo…

Eis uma história que eu preferia não ter vivido…

 

Saio do consultório odontológico, feliz com a indicação de um produto que vai facilitar a higiene dental.

Imediatamente, altero o meu roteiro e dirijo-me à loja indicada, na esperança de encontrar o produto indicado pela dentista, e fazer uso aliviado….

Eis que chego à loja, avisto 3 funcionários, sentados em suas respectivas cadeiras. Dois estão sem alguma ocupação específica, um terceiro está fazendo uso do telefone.

Ninguém toma a iniciativa de dirigir-se a mim, cliente.

No lado esquerdo, vejo uma faxineira conversando com um rapaz, aparentemente funcionário…

Na falta de um mínimo de atenção, avisto, à direita, uma prateleira com produtos odontológicos.

Procuro, procuro, procuro, e não encontro o que preciso.

Olho pro balcão, os 3 funcionários estão fazendo nada ou alguma coisa, mas nenhum se dirige a mim. Sinto-me desolado!

Olho pra mocinha do caixa, como que pedindo, com os olhos, um pouco de atenção…

Olho pro rapaz do setor de embalagem, com os olhos de alguém desolado …

Nada acontece!

Decido pedir ajuda explicita. Vejo o rapaz que parecia funcionário, desta vez, parado, próximo à porta de entrada.

-Moço, por favor, você tem o produto X? Não estou conseguindo encontrar, e gostaria de tirar uma dúvida…

Silencio. O rapaz nada fala, e dirige-se ao balcão, conversa com um dos 3 funcionários sentados, e retorna:

– O senhor pode ir até o balcão e perguntar a um dos 3 que estão sentados…

– Seria pedir muito que alguém venha até a prateleira, pois tem 2 produtos que eu gostaria de uma orientação….

(atenção, este trecho não está copiado por engano) Silencio. O rapaz nada fala, e dirige-se ao balcão, conversa com um dos 3 funcionários sentados, e retorna:

– O senhor tem que aguardar um pouco. Ela agora está ao telefone.

Diante de tanta presteza, respeitosamente, decido que aquela não é a loja com a qual pretendo fazer negócio. Agradeço ao rapaz e deixo o estabelecimento…

Calma! Eu não fiquei sem o produto. Fui até o concorrente e o atendimento foi outra coisa…

Conto a experiência na segunda loja no segundo artigo desta série “atendimento odontológico”

 

Reflexão

Falando tecnicamente, a dimensão da qualidade de serviços afetada no episódio acima foi a presteza. Embora esta dimensão costume representar cerca de 16 a 19% da percepção do cliente, no caso acima, foi determinante para o cliente desistir da empresa.

6 comentários sobre “A loja que não gosta de vender!

  1. Adorei. Já vivenciei experiências semelhantes. Posso indicar este artigo pra sair no boletim da empresa que trabalho? Vou citar a fonte e o autor.

  2. Ótimo artigo e sobretudo refleximo, vai a dica para todos os profissionais que ainda precisam de mais posturas em todos os segmentos.
    Obrigada

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s