A estratégia pode ser separada da ação?

Safari de Estratégia

Este artigo faz parte da série “escolas de estratégia” e é o segundo de um total de 12.

Para você, fazer Planejamento Estratégico deve ser separado de sua execução? O Planejamento Estratégico deve ser conduzido apenas por executivos? Até que pondo a análise de pontos fortes  e fracos, oportunidades e ameaças é suficiente para definir estratégias?

Nesta série de artigos apresentamos cada uma das escolas de estratégia, conforme o livro “Safari de Estratégia” de Mintzberg, Ahlstrand e Lampel, no clássico livro “Safari de Estratégia” (Figura 1). Neste segundo artigo discorremos sobre a Escola do Design.

A essência da Escola do Design reside em estabelecer adequação da organização ao ambiente, pela observação de suas capacidades internas e possibilidades externas.

O modelo básico da escola do Design sistematiza, de um lado, a avaliação interna, identificando pontos fortes, pontos fracos, e suas competências distintivas, e, de outro lado, a avaliação externa, identificando ameaças e oportunidades, além dos fatores críticos de sucesso, para a criação da estratégia, que é, então, seguida da implementação.

As premissas da escola do Design são: 

  • estratégias eficazes derivam de um processo de pensamento humano rigidamente controlado;
  • a responsabilidade pela percepção é do estrategista, o executivo principal da organização;
  • a formação da estratégia deve ser simples e informal;
  • o processo de design fica pronto quando as estratégias parecem plenamente formuladas;
  • as estratégias devem ser explícitas;
  • somente depois de formuladas é que as estratégias podem ser implementadas. A escola do Design faz uma separação clara entre pensamento e ação.

 As críticas mais frequentes à escola do Design são … 

  • a escola nega certos aspectos como o desenvolvimento incremental e a estratégia emergente;
  • a avaliação de pontos fortes e pontos fracos passa ao largo do aprendizado;
  • uma organização pode estar totalmente segura de suas estratégias antes de testá-las?
  • Toda mudança estratégica envolve certa dose de risco e novas experiências;
  • A escola promove a inflexibilidade. As estratégias explícitas podem impedir mudanças importantes;
  • A separação entre formulação e implementação pode levar a uma postura “pense, depois faça”, de modo que os “estrategistas”, numa mesa redonda, se distanciem por demais da implementação, feita pelos outros.

 Reflexões indutivas:

  • Como você e sua organização estão pensando e executando as questões estratégicas?
  • Na definição da estratégia da sua organização, está ocorrendo o fenômeno “uns pensam, os outros executam”?
  • Na condução da estratégia sua organização define o que fazer, e, somente depois, parte para a ação?

Nos próximos artigos estaremos discorrendo sobre cada uma das escolas de forma mais detalhada. Na Figura 1 pode ser vista ao mapa mental com a série completa de artigos, e, para você poderá acompanhar semanalmente, sempre às quintas-feiras.

Figura 1:  Estrutura da série de artigos sobre o Safari de Estratégia e suas 10 escolas

Estrutura da série "Escolas de Estratégia"

Um comentário sobre “A estratégia pode ser separada da ação?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s