O transporte público servidor do Canadá!

Como anda a qualidade dos ônibus em sua cidade? Você chamaria o transporte público brasileiro de servidor? O que podemos aprender com outros países para melhorar a qualidade do transporte público brasileiro?

Ônibus em Vancouver, Canadá
Ônibus em Vancouver, Canadá

Este artigo foi publicado originalmente em 2010, em jornal impresso. Compartilho aqui no blog para contribuir com a discussão atual sobre qualidade no serviço público brasileiro.

Aproveito a estada em Vancouver, Canadá, para compartilhar com você leitor, boas experiências de prestação de serviços, e sobre a prática do servir, verbo tão essencial a uma cidade que vai sediar a Copa do Mundo de futebol em 2014, como Natal. Vancouver sediou, em fevereiro (2010), os jogos olímpicos de inverno, e sua experiência merece ser compartilhada. Pode-se chamar Vancouver de uma cidade servidora.

Tudo começa com o espírito acolhedor presente em Vancouver. Quem vier a esta cidade pensando em encontrar canadenses típicos, vai ter uma grata surpresa – chineses, coreanos, filipinos, japoneses, indianos, aborígenes, entre outros, se fazem presente maciçamente, compondo uma cidade verdadeiramente cosmopolita. E uma cidade, para receber gente de tantos lugares diferentes, precisa ter um espírito acolhedor. Isto, por si só, permite-nos chamar Vancouver de cidade servidora.

Este acolhimento começa na porta de entrada de visitantes internacionais – o aeroporto – extremamente limpo, organizado, com sinalização clara e precisa, indicando tudo o que se possa precisar. Mas pretendo dedicar o espaço de hoje ao que denomino “transporte servidor”. O sistema de transportes em Vancouver é verdadeiramente, pautado no respeito e serviço ao usuário. Podemos dizer que ali se encontram os seis elementos das organizações servidoras (tema do trabalho que vim apresentar no congresso da POMS – Production and Operations Management Society).

Começando pela disponibilidade de informações – são distribuídos, nas estações e veículos, folhetos com informações de ônibus, metrôs e trens, onde constam itinerários, pontos de parada, horários (fielmente cumpridos), venda de bilhetes, tarifas e mapas, (tudo isto multilíngue). As informações são disponibilizadas continuamente no interior dos veículos – painéis luminosos indicando as ruas por onde o ônibus vai se aproximando ou cruzando, permitindo o acompanhamento por parte do passageiro.

Os pontos de parada ficam localizados a cerca de 250 metros um do outro, e os motoristas aguardam os passageiros que não estejam exatamente no ponto quando do estacionamento do ônibus. A frequência de ônibus, estabelecida a cada 10 minutos, é fielmente cumprida, e a cada parada, ouve-se, fora do ônibus, uma gravação indicando a identificação do itinerário. Este sistema faz uso de um sistema de apoio via GPS, com um elevado nível de precisão.

Registre-se o estado de conservação, organização e limpeza dos veículos, que gozam de um suporte móvel para colocação de bicicletas, na parte frontal, facilitando a vida dos ciclistas que precisam fazer uso do transporte – quem imaginaria: um ciclista andando de ônibus? O veículo, nas paradas, abaixa a altura, permitindo maior conforto das pessoas no acesso às portas. E, quando da aproximação de cadeirantes, é acionada uma plataforma, perfeitamente nivelada à calçada, permitindo acesso facilitado destes. As poltronas reservadas a passageiros com dificuldade (várias) são muito bem sinalizadas.

Em relação à segurança, além dos usuais equipamentos, há sinais sonoros e lâmpadas indicando a parada do veículo, e a partir de que momento os passageiros podem acionar as portas para sua saída. Em nenhum momento o ônibus sai do ponto de parada sem que as portas estejam adequadamente fechadas.

Sobre o comportamento dos motoristas, apesar de não serem as pessoas mais simpáticas do mundo, são extremamente solícitos, educados e atenciosos. E, a qualquer episódio, por menor que seja, de alteração no processo do serviço, imediatamente comunicam, pelo sistema de som (não precisa ficar gritando), o fato aos passageiros. Alguns motoristas cumprimentam os passageiros, e quando o fazem, a comunicação é clara e precisa.

Enfim, estes são apenas alguns relatos de “pequenas grandes coisas” que se pode fazer para ter um sistema verdadeiramente bom no que diz respeito à prestação de serviços “servidores”. Desde a concepção do serviço, passando pelo planejamento e operação, capacitação de pessoal e infraestrutura, sem deixar de considerar a essência de um bom serviço, que é a cultura de servir. Penso que o Brasil, por ser considerado um país hospitaleiro, e ter sido pode e deve aproveitar o advento da copa do mundo 2014 para marcar presença como um país onde se sabe servir àqueles que nos visitam.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s